Resumo de Biologia - Hipertireoidismo

O hipertireoidismo é uma doença que ocorre na glândula tireoide quando os hormônios dessa região são produzidos em excesso. Esse aumento tem impactos em várias funções corporais.

A tireoide produz dois tipos de hormônios: a tri-iodotironina (T3) e a tiroxina (T4). Eles são responsáveis pela regulação do metabolismo, ou seja, controlam o gasto de energia das células do corpo.

Os dois tipos de hormônio são produzidos na tireoide e enviados ao corpo através da corrente sanguínea. A tireoide os produz cerca de um mês, por isso o hipertireoidismo pode demorar esse mesmo tempo para apresentar os primeiros sintomas.

A doença tem cura. Os tratamentos podem variar de acordo com a idade do paciente, a sua condição de saúde, entre outros fatores. Tende a atingir pessoas acima dos 20 anos e, em maior parte, as mulheres.

A tireoide é uma das maiores glândulas do corpo humano, podendo ter entre 15 e 25 centímetros em um adulto. O formato dela lembra uma borboleta. A tireoide fica localizada no pescoço, na frente da traqueia,  logo abaixo da região conhecida como pomo-de-adão ou gogó.

Causas do hipertireoidismo

O hipertireoidismo pode acontecer por influência de vários fatores, mas o principal deles é a Doença de Graves. A doença, também chamada de Bócio Tóxico Difuso, é autoimune e sem uma causa clara para afetar a tireoide.

O fator mais provável da doença de Graves é a junção de fatores genéticos com ambientais. Pessoas com casos da doença na família, principalmente irmãos gêmeos, têm maiores probabilidades de desenvolvê-la. Outras doenças autoimunes, como a artrite reumatoide ou o diabetes tipo 1, podem levar à doença.

Outros sintomas que podem provocar o hipertireoidismo são as inflamações da tireoide, como a Tireoide de De Quervain, a Neoplasia, conhecida como tumores, o bócio multinodular tóxico, o consumo excessivo de iodo, presente em medicamentos para o hipotireoidismo, que é o caso contrário ao hipertireoidismo, etc.

Hipertireoidismo e hipotireoidismo

A tireoide é responsável pela produção de dois hormônios importantíssimos para o corpo. A regulação do metabolismo pelo tri-iodotironina e tiroxina garantem o bom funcionamento de vários órgãos.

Em virtude disso, qualquer alteração na produção desses hormônios pode causar distúrbios em várias partes do corpo. Se tratando da tireoide, duas doenças são as mais comuns: o hipertireoidismo e o hipotireoidismo.

Hipotireoidismo

O hipertireoidismo é caracterizado pelo aumento excessivo na produção de hormônios pela tireoide. Esse aumento pode levar a problemas em vários órgãos.

No cérebro, a doença provoca irritabilidade, ansiedade, agitação, nervosismo e até insônia. O paciente pode ter ainda aumento na velocidade e na amplitude dos seus movimentos, além de tremores no corpo.

No coração, o aumento dos hormônios provoca arritmias e taquicardias. No intestino, essa condição provoca um aumento na produtividade do órgão, o que leva o paciente a ter um número maior de evacuações, tanto de fezes como de urina.

O hipertireoidismo provoca ainda o aumento na produção de suor e na temperatura do corpo, uma vez que os vasos que dissipam calor ficam dilatados. A doença ainda provoca perda de peso, pois com o aumento do metabolismo, o corpo tende a queimar energia mais rápido, mesmo com o aumento de apetite do paciente.

A condição pode provocar ainda o aumento da libido, entretanto, diminui a fertilidade. Nas mulheres também causa irregularidade na menstruação.

Com o hipertireoidismo a pessoa tende a produzir menos proteína. Isso leva o paciente a ter dores musculares, fraquezas, câimbras e perda de massa óssea. Pode haver ainda queda de cabelo, dificuldade de relaxamento ou contração de músculos,  e fraqueza nas unhas.

Por exemplo, o excesso de produção causado pela doença faz com que o indivíduo tenha prisão de ventre. Essa condição afeta os rins, por isso o paciente passa a filtrar os líquidos mais lentamente e, consequentemente, produzir menos urina.

Hipotireoidismo

No hipotireoidismo, a tireoide tende a produzir menos hormônios T3 e T4. Essa baixa na produção também tem efeitos prejudiciais à saúde. No intestino, por exemplo, causa prisão de ventre e pouca filtragem de líquidos.

A doença afeta ainda o cérebro, podendo levar o paciente a depressão, a dificuldades com raciocínio e com a memória e até a lentidão de movimentos do corpo. Quando afeta o coração, a doença diminui os batimentos cardíacos e seus efeitos.

Além disso, deixa a pele mais fria e menos tolerante ao frio externo. O indivíduo tende  a aumentar de peso, uma vez que o corpo passa a acumular mucopolissacarídeos, ou seja, cadeias de açúcar que, com a retenção dos líquidos, provocam inchaço.

Ainda entre outros problemas causados pelo hipotireoidismo, o paciente tende a ter diminuição na libido e na fertilidade. Nas mulheres, as mais afetadas pelos problemas na tireoide, provoca irregularidades na menstruação.

Tratamentos

O Hipertireoidismo tem cura. A doença raramente leva o paciente a morte. Entretanto, pode sempre afetar a qualidade de vida. Esse deve, então, procurar o médico e buscar os tratamentos indicados.

Os tratamentos podem variar de acordo com a idade do paciente, as suas condições de saúde e o nível da doença. Em pessoas da terceira idade, por exemplo, há cuidados por conta de  arritmias cardíacas, hipertensão e outros fatores.

Um exemplo de tratamento é o uso de medicamentos antitireoidianos. Eles diminuem a produção dos hormônios provocados pelo hipertireoidismo. Apesar de surtirem bons efeitos, nem sempre curam totalmente a doença.

Outro tratamento possível é a ingestão de iodo radioativo. Apesar de curar o problema, pode, com o tempo, prejudicar permanentemente a tireoide. O paciente então precisará repor os hormônios tireoidianos com medicamentos para toda a vida. A cirurgia também é um tratamento possível.

Voltar

Questões