Resumo de Educação Artística - Arquitetura gótica

A arquitetura gótica foi um estilo arquitetônico que surgiu na Europa, principalmente na França, e teve grande destaque durante a baixa Idade Média, entre os séculos X e XV, e influência da arquitetura renascentista e românica.

No início era denominada de “obra francesa”, mas com o fim do Renascimento a arte passou a ter uma conotação pejorativa e ser chamada de “gótica”. Os renascentistas, inclusive, achavam essa arquitetura “monstruosa” em comparação as obras clássicas.

O principal elemento desse estilo arquitetônico é o arco ogival (desenho de dois arcos simétricos). Por ser muito encontrada em igrejas, catedrais, basílicas e mosteiros, a arquitetura gótica também é chamada de “Arte das Catedrais”.

Além do arco ogival, existem outros elementos que dão forma a arquitetura gótica. Para saber um pouco mais sobre eles, continue lendo esse artigo.

Características da arquitetura gótica

No período em que se desenvolveu a arquitetura gótica, a religião era algo intensamente contemplada pela população.  As obras eram pontiagudas e esguias, de modo que parecesse estar mais próximas do céu. A ideia era apontar a obra para o infinito e diminuir o homem, destacando sua insignificância diante das divindades.

A iluminação no interior das catedrais, adquirida através da quantidade de portas e janelas, representava, para os fiéis, uma maneira de banhar a alma com a “luz suprema”.  Além disso, descubra os principais elementos que compõe a arquitetura gótica:

Abóbodas: são estruturas côncavas bastante utilizadas em tetos. Nesse período, eram usadas para ampliar as dimensões das catedrais. As mais comuns são: as abóbadas de ogiva e de cruzaria;

Arcos: são desenhos de arcos simétricos. Os mais usados na arquitetura gótica foram os arcos ogivais.  além disso,  eram decorados com alguma escultura influente na arte gótica, sobretudo, aquelas que transmitiam ensinamentos, como a estátua do Cavaleiro Medieval, que mostra a cultura da cavalaria e os seus traços;

Arcadas: elas compreendem uma sequência de arcos sustentados por colunas, muito encontrados nos claustros; 

Arcobotante: a estrutura apresenta uma forma de meio arco, as quais eram utilizadas para propor maior sustentação às altas construções góticas.

Florão: elementos decorativos no formato de flor e feitos em pedra. Eles eram colocados em locais altos, no exterior das construções.

Vitrais: pedaços de vidros coloridos e com temas religiosos. O elemento configura uma peça principal da arquitetura gótica, pois permitiam a maior entrada de luz nas construções;

Gárgulas: esculturas alinhadas com figuras carnavalescas e monstruosas, situadas nas calhas do telhados. Embora o objetivo fosse escoar água, existem lendas de que essas criaturas eram guardiões das igrejas e ganhavam vida durante a noite;

Rosáceas: são coloridas, decorativas, com forma circular e preenchidas com vitrais. Elas eram utilizadas nos portais de entradas das igrejas e recebem esse nome por ter o formato de uma rosa. Assim como os vitrais, as rosáceas permitem a entrada de luz no interior das construções.

Diante desses elementos é possível identificar que a arquitetura gótica prioriza características como: temas religiosos; luz no interior das construções; paredes leves e finas; torres pontiagudas e esguias; planta arquitetônica em formato de cruz latina, entre outros.

Obras de grande destaque

É muito comum encontrar construções do estilo gótico em vários países da Europa. A maioria foi eleita Patrimônio Mundial pela Unesco. Entre elas estão:

Basílica de Saint Denis

A estrutura foi uma das primeiras igrejas construídas em estilo gótico na França, por volta de 1140. A concepção arquitetônica apresenta abóbadas amplas e altas sustentadas por pilastras e colunas.

Catedral de Sevilla

A Catedral de Sevilla é a maior Catedral da Espanha, sendo a terceira maior do mundo, ficando atrás apenas da Basílica de São Pedro, no Vaticano, e da Basílica de Nossa Senhora de Aparecida, na cidade de Aparecida, no Brasil.

Sevilla é considerada a maior estrutura gótica do mundo, com comprimento de 126 metros, largura de 83 metros e altura máxima (do centro cruzeiro) de 37 metros.

Basílica católica de Notre Dame

Construída em Paris, na França, a arquitetura é uma das construções mais famosas em estilo gótico. Isso se deve a história de sua construção, pois a Basílica de Notre Dame levou duzentos anos para ficar pronta, além de ser erguida em três estágios.

Apesar do tempo, adquiriu formas impressionantes. A sua majestosa estrutura interna serviu, inclusive, de inspiração para o escritor Victor Hugo. Em 1831, ele escreveu o romance “O corcunda de Notre Dame”.

Ao sul, no ponto mais alto da Basílica, está o famoso sino “Emmanuel”. Já no centro da construção, em sua nave principal, há uma cobertura abobadada com 210 toneladas, suportada por uma sequência de colunatas.

Ao todo, a arquitetura gótica apresenta 127 metros de comprimento, 48 metros de largura e 35 metros de altura.

Catedral de Milão

Um das mais célebres e complexas obras em estilo gótico da cidade de Milão, na Itália, a Catedral ou “Duomo di Milano”, como também é conhecida, começou a ser construída em 1386 e demorou cerca de 600 anos para ficar pronta, segundo os historiadores.

A arquitetura gótica da Catedral de Milão é fascinante. Do lado de fora, é repleta de ornamentações, que somam 3400 peças. Além disso, é a única igreja no mundo a ser proprietária da própria marmoraria (Fábrica do Duomo).

Atualmente, no local, são fabricadas as placas de mármore, usadas na conservação, manutenção e restauração do próprio edifício.

Arquitetura gótica no Brasil

A arquitetura gótica no Brasil apenas aconteceu no final do século XIX, inspirada na arte gótica medieval, pois falar em estilo gótico brasileiro é o mesmo que falar em “neogótico”, ou seja, é uma imitação do estilo gótico oficial. Contudo, foi sob o comando de D. Pedro II que esse estilo se popularizou no país.

Veja quais são as construções brasileiras influenciadas pela arquitetura gótica:

  • Catedral Metropolitana de Fortaleza (CE);
  • Catedral Metropolitana de Vitória (ES);
  • Catedral de Petrópolis (RJ);
  • Palácio da Ilha Fiscal (RJ);
  • Catedral da Sé (SP);
  • Catedral de Santos (SP);
  • Catedral Nossa Senhora da Boa Viagem (MG);.
  • Igreja do Santuário do Caraça (MG).
Voltar