Resumo de Biologia - Ácidos Nucleicos

Conheça a estrutura, composição e funções dessas moléculas


Os ácidos nucleicos são substâncias presentes no interior das células dos organismos vivos. Esse nome se deve ao fato de serem substâncias orgânicas de caráter ácido que, inicialmente, foram encontradas no interior do núcleo celular. Esses polímeros são formados por nucleotídeos e desempenham um papel fundamental na transmissão de características genéticas dos organismos. 
É de responsabilidade dos ácidos nucleicos o armazenamento, a transmissão e a tradução das informações genéticas. Essas funções são executadas pelos dois tipos de ácidos existentes: o DNA e o RNA. Além das funções que executam, esses dois ácidos nucleicos se diferenciam pela estrutura. Continue a leitura deste artigo e aprenda mais sobre essas diferenciações e como elas interferem no modo como eles atuam no organismo. 

Composição dos ácidos nucleicos 


Como já foi dito, os ácidos nucleicos são formados por nucleotídeos, que nada mais são que estruturas formadas por um grupo fosfato, um açúcar de cinco carbonos (pentose) e uma base nitrogenada (base contendo nitrogênio). Contudo, cada um dos ácidos nucleicos é formado por um nucleotídeo diferente. Enquanto o DNA é constituído pela desoxirribose, que possui em sua estrutura menos átomos de oxigênio, o RNA é constituído pela ribose. É daí que vem o nome dessas estruturas: ácido desoxirribonucleico (DNA) e ácido ribonucleico (RNA). 
Além de apresentarem distinções no número de átomos de oxigênio, os nucleotídeos que constituem os ácidos nucleicos também se diferenciam pelas bases nitrogenadas que cada um possui. No total, existem cinco bases nitrogenadas, que são agrupadas em dois grupos, a saber, pirimidinas e purinas. E cada um dos ácidos nucleicos possui duas bases nitrogenadas de cada tipo. 
Cada grupo de base nitrogenada possui uma estrutura diferente. As pirimidinas possuem um anel com seis átomos, entre os quais estão átomos de carbono e de nitrogênio. O grupo das purinas, por sua vez, é formado por um anel de seis átomos fundido a um outro anel que possui cinco átomos. As bases nitrogenadas desse grupo são as mesmas no DNA e no RNA. 
Citosina, timina e uracila são as bases nitrogenadas do tipo pirimidinas, enquanto a adenina e a guanina são do tipo purinas. No que diz respeito à composição das bases nitrogenadas, os ácidos nucleicos se diferenciam pelo fato de que o DNA tem em sua estrutura a timina, enquanto o RNA tem a uracila como base exclusiva. 


DNA RNA 


Além das diferenças de composição e de funções desempenhadas por cada um dos ácidos nucleicos, eles também se distinguem pela estrutura. A estrutura do DNA é formada por dois filamentos polinucleotídicos que se enrolam um sobre o outro, construindo o formado de uma escada circular que é facilmente representado graficamente. 
No DNA, as bases nitrogenadas emparelham-se construindo pontes de hidrogênio. A adenina liga-se à timina, enquanto a citosina constrói ligações com a guanina. A estrutura do RNA, por outro lado, é mais simples. No geral, esse ácido nucleio é composto por apenas uma cadeia, que se enrola sobre si mesma. Essa molécula também apresenta ligações entre as bases nitrogenadas. Contudo, aqui a adenina liga-se com uracila. 
Outro elemento que diferencia o RNA do DNA é o tamanho. As moléculas de ácido desoxirribonucleico são formadas por um número superior de nucleotídeos, logo são mais longas que as moléculas de ácido ribonucleicos. Entre as macromoléculas presentes nas células dos organismos vivos, o DNA é a maior de todas. 
Por fim, cabe diferenciar essas estruturas no que diz respeito ao modo como atuam. O DNA é o ácido ribonucleico que guarda e realiza a transferência das características transmissíveis aos descendentes. Esses dados ficam armazenados em estruturas denominadas genes. O DNA possui a capacidade de se autoduplicar e, desse modo, replicar as informações presentes nos genes. 
Esse processo acontece na fase “S” da interfase e sem ele não haveria o desenvolvimento dos indivíduos. O processo de autoduplicação do DNA tem início quando a célula-ovo ou zigoto se divide em duas e se mantém durante todo o tempo de vida do indivíduo. Além disso, ele é fundamental para repor os tecidos lesionados e transmitir as características genéticas através dos gametas. 
As moléculas de RNA, por sua vez, estão envolvidas no processo de síntese das proteínas, que também é chamado de tradução. Para isso, atuam os diferentes tipos de ácido ribonucleico presentes nas células, a saber: RNA mensageiro (RNAm); RNA transportador (RNAt); e RNA ribossômico (RNAr). 
Durante o processo de tradução, a importância do RNA mensageiro reside no fato de que ele contém as informações necessárias para produzir a síntese de determinada proteína. O RNA transportador, por outro lado, está incumbido de realizar o transporte dos aminoácidos certos para construção da proteína que se vai produzir. E, por fim, o RNA ribossômico é responsável por garantir que a síntese de proteínas aconteça da maneira adequada. 
Ficou com alguma dúvida sobre a composição, estrutura ou função dos ácidos nucleicos? Assista ao vídeo abaixo e confira a explicação dada pelo professor Douglas Albez, que também apresenta como o tema já foi cobrado no ENEM. 


Voltar

Questões