Secretaria de Estado de Saúde - Distrito Federal (SES-DF) - Terapeuta Ocupacional (2020) Questão 116

Um estudante de faculdade de 20 anos de idade sofreu um traumatismo cranioencefálico (TCE) em acidente com veículo motorizado. Antes do acidente, a família o descrevia como sério e trabalhador, com nota média oito durante os dois primeiros anos do curso. O jovem também trabalhava como frentista em um posto de gasolina, durante 16 horas por semana. Frequentava a casa de alguns amigos, e seus interesses de lazer incluem futebol, violão e séries televisionadas. A tomografia computadorizada seriada revelou lesões difusas de axônios, edema e hemorragia intraparenquimatosa temporoparietal posterior. Durante a primeira semana do TCE, foi introduzida uma sonda de alimentação e realizada traqueostomia. A terapia ocupacional e a fisioterapia foram iniciadas na segunda semana após a lesão, com prescrição médica de amplitude de movimento, posicionamento e estimulação sensorial. O paciente não falava e nem seguia conscientemente comandos. Parecia acompanhar, de forma não consciente, objetos com o olho esquerdo. Sua pontuação total inicial no Western Neuro Sensory Simulation Profile foi de 23, e acreditava-se que ele estivesse desempenhando no nível Rancho II a III, tornando-se crescentemente receptivo a estímulos específicos. 


Com base nesse caso clínico e nos conhecimentos correlatos, julgue o item a seguir.


Os níveis I a VIII do Rancho são amplamente empregados na lesão cerebral. O acréscimo dos níveis IX e X, em 1998, descrevem barreiras de alto nível cognitivo, comportamental e emocional ao desempenho ótimo.



  • Certo
  • Errado

Encontre mais questões

Voltar