Câmara Municipal de Bragança Paulista - SP - Assistente de Gestão Administrativa (2013) Questão 10

       Miguel Gomes mal completara dois anos quando a Revolução dos Cravos assinalou o fim da ditadura de Salazar e do poderio colonialista português na África. Mas, como muitos de sua geração, o diretor aprenderia a conviver com essa herança pelos olhos e bocas de outros, ao ouvir e tentar entender o que lhe diziam. Uma dessas fontes é a mãe, nascida em Angola. Nunca comungou, contudo, de certo travo saudosista. Tabu, seu novo filme, com estreia prevista no Brasil dia 28, tem origem nessa conjunção entre um país antigo idealizado e o presente encantado pelo passado. É, portanto, acerca da memória que o cineasta se expressa, mas não apenas a de uma sociedade. Também a de um determinado cinema perdido, de um ato de narrar e de uma plateia que o aprecie, igualmente desaparecida.
     Desse cinema almejado, Gomes nos propõe um filme raro e radical em sua forma, que, no entanto, coteja um tema banal, uma história de amor levada em dois tempos, com um prólogo anticonvencional a apresentá-la em tom fabular. O preto e branco, como em todo o filme, e a ambientação são referências adicionais ao título que remete ao clássico de F. W. Murnau em parceria com o documentarista Robert J. Flaherty.

(Orlando Margarido. Carta Capital, 19 de junho de 2013. Adaptado)


De acordo com a leitura do texto, pode-se concluir que
  • A o filme Tabu apresenta como tema principal a Revolução dos Cravos
  • B Miguel Gomes tentou retratar em seu filme a sociedade portuguesa do século XVIII.
  • C o cineasta, em seu novo filme, reflete acerca do ideal perdido de Portugal e da arte de filmar.
  • D o colorido do filme pretende reaver o público desaparecido do cinema português.
  • E o diretor tem como mote de seu filme a vida de sua mãe em colônias portuguesas na África.

Encontre mais questões

Voltar