Questão 31 do Concurso Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso (IF-MT) - Professor - História (2015)

No exercício de conhecer, conquistar, procurar tesouros, catequizar ou mesmo escravizar os povos indígenas e transpor as duas muralhas que davam acesso aos sertões interiores da parte sul do continente americano demorou mais de um século até que os súditos portugueses e espanhóis começassem a se defrontar. Naquelas imensidões de terras e águas os ibero-americanos fundaram núcleos de povoamento. No rio Tietê, as vilas de São Paulo, Parnaíba, Itu e Sorocaba. No rio Paraguai, a cidade de Assunção. No rio Cuiabá, as minas e vila homônimas. Entre os rios Piray e Grande fixou-se Santa Cruz de la Sierra. Ainda no vale dos rios Mamoré e Guaporé, do lado hispânico, as missões de Mojos e Chiquitos e da banda lusitana, os arraiais das minas do Mato Grosso. Eram lugares muito distantes uns dos outros. Num continente povoado por centenas de nações ameríndias, os novos e adventícios moradores usaram os rios para garantir suas sobrevivências e, também, para interligar suas pequenas 'ilhas de civilidade'.

(LUCÍDIO, J. A. B. 'A Ocidente do Imenso Brasil': as conquistas dos rios Paraguai e Guaporé (1680-1750). Lisboa, 2013. Tese (Doutoramento em História dos descobrimentos e expansão portuguesa) – Faculdade de Ciências Sociais e Humanas. Universidade Nova de Lisboa.)

A partir da leitura do texto, é correto afirmar:

  • A A definição da fronteira oeste apenas foi possível após o longo processo de negociação com os diversos povos indígenas encontrados durante as incursões sertanistas.
  • B A constituição dos territórios das Coroas espanhola e portuguesa na América do Sul obedeceu a um rigoroso plano de ocupação estabelecido a partir de Tordesilhas.
  • C Nos núcleos urbanos já existentes no interior da América do Sul, como Cuiabá, por exemplo, ocorreram significativos adensamentos populacionais que obrigaram as coroas ibéricas a planejar sua integração.
  • D A Capitania de Mato Grosso formou-se em decorrência do processo de ocupação consentido pela Coroa portuguesa das áreas interioranas da América do Sul, nas quais se havia encontrado mão de obra indígena e ouro.