Comando do 8º Distrito Naval - Oficial de Apoio (2020) Questão 17

Sobre a Escrita...

Meu Deus do céu, não tenho nada a dizer. O som de minha máquina é macio.
Que é que eu posso escrever? Como recomeçar a anotar frases? A palavra é o meu meio de comunicação. Eu só poderia amá-la. Eu jogo com elas como se lançam dados: acaso e fatalidade. A palavra é tão forte que atravessa a barreira do som. Cada palavra é uma ideia. Cada palavra materializa o espírito. Quanto mais palavras eu conheço, mais sou capaz de pensar o meu sentimento.
Devemos modelar nossas palavras até se tornarem o mais fino invólucro dos nossos pensamentos. Sempre achei que o traço de um escultor é identificável por uma extrema simplicidade de linhas. Todas as palavras que digo - é por esconderem outras palavras.
Qual é mesmo a palavra secreta? Não sei é porque a ouso? Não sei porque não ouso dizê-la? Sinto que existe uma palavra, talvez unicamente uma, que não pode e não deve ser pronunciada. Parece-me que todo o resto não é proibido. Mas acontece que eu quero é exatamente me unir a essa palavra proibida. Ou será? Se eu encontrar essa palavra, só a direi em boca fechada, para mim mesma, senão corro o risco de virar alma perdida por toda a eternidade. Os que inventaram o Velho Testamento sabiam que existia uma fruta proibida. As palavras é que me impedem de dizer a verdade.
Simplesmente não há palavras.
O que não sei dizer é mais importante do que o que eu digo. Acho que o som da música é imprescindível para o ser humano e que o uso da palavra falada e escrita são como a música, duas coisas das mais altas que nos elevam do reino dos macacos, do reino animal, e mineral e vegetal também. Sim, mas é a sorte às vezes.
Sempre quis atingir através da palavra alguma coisa que fosse ao mesmo tempo sem moeda e que fosse e transmitisse tranquilidade ou simplesmente a verdade mais profunda existente no ser humano e nas coisas. Cada vez mais eu escrevo com menos palavras. Meu livro melhor acontecerá quando eu de todo não escrever. Eu tenho uma falta de assunto essencial. Todo homem tem sina obscura de pensamento que pode ser o de um crepúsculo e pode ser uma aurora.
Simplesmente as palavras do homem.

(Clarice Lispector)


Fonte: contobrasileiro.com.br/sobre-a-escrita-conto-declarice-lispector/


Leia o fragmento abaixo e o texto que se apresenta em seguida:
“Sinto que existe uma palavra, talvez unicamente uma, que não pode e não deve ser pronunciada. Parece-me que todo o resto não é proibido. [...] Se eu encontrar essa palavra, só a direi em boca fechada, para mim mesma, senão corro o risco de virar alma perdida por toda a eternidade. Os que inventaram o Velho Testamento sabiam que existia uma fruta proibida" (§4).
“2 E disse a mulher à serpente: Do fruto das árvores do jardim comeremos, 3 Mas do fruto da árvore que está no meio do jardim, disse Deus: Não comereis dele, nem nele tocareis para que não morrais.”
Fonte: Gênesis {Cap. 3, versículos 2-3). Disponível em: https://www. bibliaonline.com.br/acf/gn/3
Considerando-se os dois textos, é INCORRETO afirmar que:

  • A a autora recorreu à intertextualidade para expressar que existe uma palavra que ela gostaria de encontrar, mas que não está acessível a ela, assim como o fruto proibido à mulher, personagem do texto bíblico.
  • B a autora recorreu à intertextualidade para expressar que sabe qual é a palavra secreta, mas não pode pronunciá-la, sob o risco de ser punida, traçando um paralelo entre sua punição com a da mulher, personagem do texto bíblico, se esta comesse o fruto proibido.
  • C de acordo com o texto, encontrar a palavra proibida pode ocasionar consequências negativas à autora, tal como o fruto proibido causaria a morte à mulher, personagem do texto bíblico.
  • D a autora utilizou-se da intertextualidade, com a inserção de referências que remetem ao texto bíblico, provocando o deslocamento destas a um novo contexto e gerando a constituição de novos sentidos.
  • E para a plena produção de sentido do fragmento do texto de Clarice Lispector, é desejável que o leitor já conheça o texto bíblico com o qual a autora traça uma intertextualidade.

Encontre mais questões

Voltar