Quadro Técnico do Corpo Auxiliar da Marinha (Quadro Técnico) - Ciências Biológicas (2018) Questão 47

Correlacione os pisos e as zonas do ambiente marinho com as respectivas regiões, assinalando a seguir a opção que apresenta a sequência correta.
1) Zona Nerítica 2) Piso Batial 3) Piso Abissal 4) Piso Hadal 5) Zona Oceânica
( ) Região profunda ( ) Plataforma continental ( ) Talude continental ( ) Fossas oceânicas ( ) Planícies e cordilheiras meso-oceânicas

  • A (4)(1)(2)(3){5)
  • B (3)(2)(1)(4)(5)
  • C (5)(1){2)(4)(3)
  • D (5)(3)(1)(4)(2)
  • E (5){1)(2)(3)(4)
  • Altas temperaturas, poluição orgânica e correntes de superfíce; Corethron, Chaetoceros e Pleurosigma; Toxina paralisante de moluscos ou Saxitoxinas.
  • Proteção.
  • Comunicação.
  • Locomoção.
  • Sensorial.
  • Equilíbrio.
  • Apresentam escamas placoides.
  • Ausência de maxilar e mandíbula.
  • Apresentam esqueleto ósseo.
  • Apresentam três canais semicirculares no sistema auditivo de cada lado da cabeça.
  • Apresentam narinas pares.
  • Altas temperaturas, poluição orgânica e correntes de superfíce; Corethron, Chaetoceros e Pleurosigma; Toxina paralisante de moluscos ou Saxitoxinas.
  • Proteção.
  • Comunicação.
  • Locomoção.
  • Sensorial.
  • Equilíbrio.
  • Apresentam escamas placoides.
  • Ausência de maxilar e mandíbula.
  • Apresentam esqueleto ósseo.
  • Apresentam três canais semicirculares no sistema auditivo de cada lado da cabeça.
  • Apresentam narinas pares.
  • o estabelecimento dos bioincrustantes depende do estoque de larvas planctônicas presentes no ambiente, assim como de seus sucessivos estádios. No caso de cirripédios, na fase naúplio (planctotrófica e fotopositiva) favorece a dispersão; na fase cipris (lecitotrófica e fotonegativa), corresponde à etapa em que a larva está pronta para o assentamento. Uma vez assentada, o organismo pode se estabelecer ou ser eliminado por competição.
  • o assentamento dos organismos em estádio planctônico para o substrato está condicionado a um processo sucessional que inclui a facilitação, com alteração das condições por colonizadores primários (biofilme e, posteriormente, organismos oportunistas ou pioneiros). As etapas seguintes incluem a inibição ou a indiferença ao assentamento de novos recrutas.
  • a dinâmica da incrustação marinha inclui uma integração complexa dos organismos, (não condicionada a um processo direcional de sucessão), a disponibilidade de formas de propagação no plâncton, e aglomerados que precipitam no fundo (neve marinha), que não se estabelecem, a priori, em uma superfície.
  • a incrustação depende da colonização inicial por microrganismos (biofilme) e é procedida por uma sucessão de epibiose: novos organismos epibiontes crescem sobre pioneiros preexistentes.
  • o modelo teórico Sucessão Ecológica X Disponibilidade no Plâncton preconiza a disponibilidade de formas de propagação no plâncton, o processo sucessional (biofilme, organismos pioneiros, epibiose) como também as etapas da inibição ou da indiferença para o assentamento de novos recrutas.
  • demarcação e estabelecimento de áreas protegidas; regulamentação e manejo adequado dessas áreas e seu uso sustentável; prevenção quanto à introdução, ao controle e à erradicação de espécies exóticas.
  • demarcação e estabelecimento de áreas protegidas, regulamentação e manejo adequado dessas áreas, estabelecendo-as como áreas de preservação e restrição (closed areas - áreas fechadas); prevenção quanto à introdução, ao controle e à erradicação de espécies exóticas.
  • demarcação e estabelecimento de áreas protegidas, regulamentação e manejo adequado dessas áreas e seu uso sustentável; reintrodução de espécies nativas criadas em cativeiro; prevenção quanto à introdução e ao controle de espécies exóticas.
  • demarcação e estabelecimento de áreas protegidas; regulamentação e manejo adequado dessas áreas, estabelecendo-as como áreas de preservação e restrição (closed áreas - áreas fechadas); reintrodução de espécies nativas criadas em cativeiro; prevenção, controle e erradicação de espécies exóticas.
  • demarcação e estabelecimento de áreas protegidas; regulamentação e manejo adequado dessas áreas e seu uso sustentável, preservação de espécies exóticas.
  • Escamas.
  • Otólitos.
  • Raios moles das nadadeiras.
  • Espinhos das nadadeiras.
  • Vértebras.
  • Diretas.
  • Indiretas.
  • De opção.
  • De valor.
  • Irrelevantes.
  • São vacinas baseadas em vetores modificados geneticamente para incluir todo o complexo gênico que codifica uma ou mais proteínas do agente infeccioso.
  • São vacinas desenvolvidas pela técnica de clonagem e que contêm grandes quantidades de DNA do agente infeccioso.
  • São vacinas elaboradas a partir da amplificação em PCR (Reação em Cadeia da Polimerase) de fragmentos específicos do DNA de agentes infecciosos.
  • São vacinas que contêm plasmídeos recombinantes, aos quais foram incluídos ‘primers’ (Inicializadores) específicos para os agentes infecciosos.
  • São vacinas produzidas para corrigir mutações específicas no DNA de embriões nas fases iniciais do desenvolvimento.
  • Altas temperaturas, poluição orgânica e correntes de superfíce; Corethron, Chaetoceros e Pleurosigma; Toxina paralisante de moluscos ou Saxitoxinas.
  • Proteção.
  • Comunicação.
  • Locomoção.
  • Sensorial.
  • Equilíbrio.
  • Apresentam escamas placoides.
  • Ausência de maxilar e mandíbula.
  • Apresentam esqueleto ósseo.
  • Apresentam três canais semicirculares no sistema auditivo de cada lado da cabeça.
  • Apresentam narinas pares.
  • Altas temperaturas, poluição orgânica e correntes de superfíce; Corethron, Chaetoceros e Pleurosigma; Toxina paralisante de moluscos ou Saxitoxinas.
  • Proteção.
  • Comunicação.
  • Locomoção.
  • Sensorial.
  • Equilíbrio.
  • Apresentam escamas placoides.
  • Ausência de maxilar e mandíbula.
  • Apresentam esqueleto ósseo.
  • Apresentam três canais semicirculares no sistema auditivo de cada lado da cabeça.
  • Apresentam narinas pares.
  • o estabelecimento dos bioincrustantes depende do estoque de larvas planctônicas presentes no ambiente, assim como de seus sucessivos estádios. No caso de cirripédios, na fase naúplio (planctotrófica e fotopositiva) favorece a dispersão; na fase cipris (lecitotrófica e fotonegativa), corresponde à etapa em que a larva está pronta para o assentamento. Uma vez assentada, o organismo pode se estabelecer ou ser eliminado por competição.
  • o assentamento dos organismos em estádio planctônico para o substrato está condicionado a um processo sucessional que inclui a facilitação, com alteração das condições por colonizadores primários (biofilme e, posteriormente, organismos oportunistas ou pioneiros). As etapas seguintes incluem a inibição ou a indiferença ao assentamento de novos recrutas.
  • a dinâmica da incrustação marinha inclui uma integração complexa dos organismos, (não condicionada a um processo direcional de sucessão), a disponibilidade de formas de propagação no plâncton, e aglomerados que precipitam no fundo (neve marinha), que não se estabelecem, a priori, em uma superfície.
  • a incrustação depende da colonização inicial por microrganismos (biofilme) e é procedida por uma sucessão de epibiose: novos organismos epibiontes crescem sobre pioneiros preexistentes.
  • o modelo teórico Sucessão Ecológica X Disponibilidade no Plâncton preconiza a disponibilidade de formas de propagação no plâncton, o processo sucessional (biofilme, organismos pioneiros, epibiose) como também as etapas da inibição ou da indiferença para o assentamento de novos recrutas.
  • demarcação e estabelecimento de áreas protegidas; regulamentação e manejo adequado dessas áreas e seu uso sustentável; prevenção quanto à introdução, ao controle e à erradicação de espécies exóticas.
  • demarcação e estabelecimento de áreas protegidas, regulamentação e manejo adequado dessas áreas, estabelecendo-as como áreas de preservação e restrição (closed areas - áreas fechadas); prevenção quanto à introdução, ao controle e à erradicação de espécies exóticas.
  • demarcação e estabelecimento de áreas protegidas, regulamentação e manejo adequado dessas áreas e seu uso sustentável; reintrodução de espécies nativas criadas em cativeiro; prevenção quanto à introdução e ao controle de espécies exóticas.
  • demarcação e estabelecimento de áreas protegidas; regulamentação e manejo adequado dessas áreas, estabelecendo-as como áreas de preservação e restrição (closed áreas - áreas fechadas); reintrodução de espécies nativas criadas em cativeiro; prevenção, controle e erradicação de espécies exóticas.
  • demarcação e estabelecimento de áreas protegidas; regulamentação e manejo adequado dessas áreas e seu uso sustentável, preservação de espécies exóticas.
  • Escamas.
  • Otólitos.
  • Raios moles das nadadeiras.
  • Espinhos das nadadeiras.
  • Vértebras.
  • Diretas.
  • Indiretas.
  • De opção.
  • De valor.
  • Irrelevantes.
  • São vacinas baseadas em vetores modificados geneticamente para incluir todo o complexo gênico que codifica uma ou mais proteínas do agente infeccioso.
  • São vacinas desenvolvidas pela técnica de clonagem e que contêm grandes quantidades de DNA do agente infeccioso.
  • São vacinas elaboradas a partir da amplificação em PCR (Reação em Cadeia da Polimerase) de fragmentos específicos do DNA de agentes infecciosos.
  • São vacinas que contêm plasmídeos recombinantes, aos quais foram incluídos ‘primers’ (Inicializadores) específicos para os agentes infecciosos.
  • São vacinas produzidas para corrigir mutações específicas no DNA de embriões nas fases iniciais do desenvolvimento.
  • Altas temperaturas, poluição orgânica e correntes de superfíce; Corethron, Chaetoceros e Pleurosigma; Toxina paralisante de moluscos ou Saxitoxinas.
  • Proteção.
  • Comunicação.
  • Locomoção.
  • Sensorial.
  • Equilíbrio.
  • Apresentam escamas placoides.
  • Ausência de maxilar e mandíbula.
  • Apresentam esqueleto ósseo.
  • Apresentam três canais semicirculares no sistema auditivo de cada lado da cabeça.
  • Apresentam narinas pares.

Encontre mais questões

Voltar