Câmara Municipal do Rio de Janeiro - Diversos Cargos (Prefeitura do Rio de Janeiro - RJ - 2015) Questão 25

Considerar o texto IV, para responder à questão.

Texto IV: Preconceito linguístico ou social?

Faz algum tempo que venho me dedicando ao estudo do preconceito linguístico na sociedade brasileira. A principal conclusão que tirei dessa investigação é que, simplesmente, o preconceito linguístico não existe. O que existe, de fato, é um profundo e entranhado preconceito social. Se discriminar alguém por ser negro, índio, pobre, nordestino, mulher, deficiente físico, homossexual etc. já começa a ser considerado “publicamente inaceitável” (o que não significa que essas discriminações tenham deixado de existir) e “politicamente incorreto” (lembrando que o discurso do “politicamente correto” é quase sempre pura hipocrisia), fazer essa mesma discriminação com base no modo de falar da pessoa é algo que passa com muita “naturalidade”, e a acusação de “falar tudo errado”, “atropelar a gramática” ou “não saber português” pode ser proferida por gente de todos os espectros ideológicos, desde o conservador mais empedernido até o revolucionário mais radical. Por que será que é assim?

Bagno, Marcos. A norma oculta: língua e poder na sociedade brasileira.
São Paulo: Parábola Editorial, 2003. P.15,16. Fragmento


“conservador mais empedernido”. É INCORRETO afirmar que o vocábulo em destaque:
  • A nesse contexto é adjetivo flexionado no grau comparativo.
  • B incorpora prefixo e sufixo em sua formação.
  • C numa derivação do sentido original, significa frio, insensível.
  • D tem como primeiro sentido dicionarizado petrificado.