Questão 1 do Concurso Secretaria de Estado da Educação do Espírito Santo (SEDU-ES) - Professor - Matemática (2018)

Comunicação e informação

Dizer mídia, sem mais nem menos, é uma abstração. O que conta são os jornalistas, as pessoas. E essas são boas ou más, inteligentes ou estúpidas, honestas ou desonestas, como toda a gente. O pior jornalista é aquele que se comporta como um camaleão, sempre preparado para mudar de cor conforme o ambiente. A lógica empresarial das tiragens e das audiências convida inevitavelmente ao sensacionalismo, à manobra rasteira, ao compadrio, aos pactos ocultos. Não há muita política nas colunas dos jornais, o que há é muitos políticos. Ambições, em vez de ideias. (...)
Quanto às matérias veiculadas, a superabundância de informação pode fazer do cidadão um ser muito mais ignorante. Explico-me: creio que as possibilidades tecnológicas para desenvolver a massificação das informações surgiram rapidamente demais. O cidadão não dispõe dos elementos e da formação adequados para saber escolher e selecionar, o que o leva a ficar perdido no meio dessa selva. É justamente nessa defasagem que se produz a instrumentalização em prejuízo do indivíduo e, portanto, a desinformação.
(Adaptado de: SARAMAGO, José. As palavras de Saramago. São Paulo: Companhia das Letras, 2010, p. 442-443)


A afirmação Dizer mídia, sem mais nem menos, é uma abstração logo se justifica, no primeiro parágrafo do texto, pelo fato de que, para o autor

  • A as ideias veiculadas pelos grandes órgãos de imprensa não têm sustentação suficientemente elaborada, não correspondem à gravidade dos fatos a que elas se prendem.
  • B os profissionais da comunicação é que determinam o teor de suas matérias, o qual dependerá, portanto, das qualidades ou vícios pessoais de quem delas se incumba.
  • C a lógica empresarial leva ao sensacionalismo e à tendenciosidade, equiparando assim todos os profissionais da comunicação, negando-lhes a força de seu personalismo.
  • D a política, uma vez representada nos meios de comunicação, torna-se fatalmente abstrata, em virtude do vazio de ideias que predomina na maioria dos profissionais envolvidos.
  • E a ambição pessoal dos grandes empresários da comunicação leva-os a contratar profissionais servis, para quem a política deve atender exclusivamente os interesses da empresa.