Prefeitura Municipal de Juti - Médico cirurgião geral (2019) Questão 13

Livro sobre nada (Manoel de Barros)


É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez.

Tudo que não invento é falso.

Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira.

Tem mais presença em mim o que me falta.

Melhor jeito que achei para me conhecer foi fazendo o contrário.

Sou muito preparado de conflitos.

Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou.

O meu amanhecer vai ser de noite.

Melhor que nomear é aludir.

Verso não precisa dar noção.

O que sustenta a encantação de um verso (além do ritmo) é o ilogismo.

Meu avesso é mais visível do que um poste.

Sábio é o que adivinha.

Para ter mais certezas tenho que me saber de imperfeições.

A inércia é meu ato principal.

Não saio de dentro de mim nem para pescar.

Sabedoria pode ser que seja estar uma árvore.

Estilo é um modelo anormal de expressão: é estigma.

Peixe não tem honras nem horizontes.

Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas quando não desejo contar nada, faço poesia.

Eu queria ser lido pelas pedras.

As palavras me escondem sem cuidado.

Aonde eu não estou as palavras me acham.

Há histórias tão verdadeiras que às vezes parece que são inventadas.

Uma palavra abriu o roupão para mim. Ela deseja que eu a seja.

A terapia literária consiste em desarrumar a linguagem a ponto que ela expresse nossos mais fundos desejos.

Quero a palavra que sirva na boca dos passarinhos.

Esta tarefa de cessar é que puxa minhas frases para antes de mim.

Ateu é uma pessoa capaz de provar cientificamente que não é nada. Só se compara aos santos. Os santos querem ser os vermes de Deus.

Melhor para chegar a nada é descobrir a verdade.

O artista é erro da natureza. Beethoven foi um erro perfeito.

Por pudor sou impuro.

O branco me corrompe.

Não gosto de palavra acostumada.

A minha diferença é sempre menos.

Palavra poética tem que chegar ao grau de brinquedo para ser séria.

Não preciso do fim para chegar.

Do lugar onde estou já fui embora.



Quanto ao uso correto, ou não de crase, atribua V (verdadeiro) ou F (falso) aos itens e assinale a alternativa correta. ( ) Não se emprega o sinal grave indicativo de crase nas expressões cristalizadas formadas pelo adjetivo meia: a meia-luz, a meia-voz, a meia altura. ( ) Não se emprega o sinal grave indicativo de crase nas locuções formadas por palavras repetidas: gota a gota, cara a cara, de ponta a ponta. ( ) É facultativo o uso de sinal grave indicativo de crase antes de pronomes possessivos, já que estes são opcionalmente precedidos de artigo: O colégio fica próximo à (ou a) nossa casa. ( ) A expressão à moda de pode ser representada pelo uso simples de à, originando a possibilidade de crase diante de nome masculino: bife à Oswald Aranha, estilo à Rui Barbosa.
  • A F - V - F - V.
  • B F - V - V - F.
  • C F - F - F - V.
  • D V - V - V - V.

Encontre mais questões

Voltar