Questão 7 do Concurso Conselho Federal de Contabilidade - Auditor - Ciências Contábeis (2021)

No Brasil a norma que dispõe sobre a utilização do trabalho de auditoria interna pelo auditor externo estabelece condições para que isso ocorra. Sobre esse assunto, assinale a alternativa CORRETA.
  • A O auditor independente tem total responsabilidade pela opinião expressa em seu relatório de auditoria de uma Entidade Fechada de Previdência Complementar (EFPC). Entretanto, de acordo com norma de auditoria que trata deste tema, essa responsabilidade é reduzida pela utilização de trabalhos da função de auditoria interna da Entidade, caso exista, e o auditor externo decida usá-lo, ou pela obtenção de assistência direta de auditores internos pelo auditor independente no seu trabalho.
  • B O auditor independente deve se comunicar com os responsáveis pela governança da EFPC e fornecer um resumo do alcance planejado e da época da auditoria e como ele planejou seu trabalho. Entretanto, como a decisão de usar a função de auditoria interna é de sua responsabilidade, o auditor externo, ao decidir usar o trabalho da auditoria interna, não necessita informar aos responsáveis da governança essa sua decisão.
  • C Para manter a sua independência e para respeitar a política de segregação de funções, a auditoria interna não pode auxiliar a EFPC a identificar e avaliar exposições significativas a diversos riscos que possam existir. Entretanto, a auditoria interna poderá contribuir no aprimoramento da gestão de risco e do controle interno que são avaliados pelo setor de Compliance existente dentro da Entidade. Adicionalmente, por haver essa segregação de funções, o auditor externo poderá usar o trabalho de auditoria interna.
  • D O auditor externo, na condução dos trabalhos de exame das demonstrações contábeis da EFPC em que existir a função de auditoria interna poderá utilizar os auditores internos para prestar assistência direta ao seu trabalho e, ocorrendo isto, a equipe da auditoria interna deverá estar sob a direção, supervisão e revisão do auditor independente e, não, da Entidade.