Questões da Prova do TRF - Analista - Tecnologia da Informação (FCC - 2017)

Limpar Busca

Os juízos de valor são considerados naturalmente controversos pelo fato de que

  • A simulam uma convicção quando apenas presumem o que seja um atributo da realidade.
  • B expressam a prepotência de quem se nega a discuti-los levando em conta a argumentação alheia.
  • C exprimem pontos de vista originários de percepções essencialmente subjetivas.
  • D correspondem a verdades absolutas que a realidade mesma dos fatos não é suficiente para comprovar.
  • E traduzem percepções equivocadas do que se considera a verdade autêntica de um fato.

O violento embate entre juízos de valor nas redes sociais poderia ser bastante amenizado no caso de se aceitar, conforme recomenda o historiador Hobsbawm, a disposição de

  • A evitar o julgamento de fenômenos históricos de difícil interpretação, sobretudo os que nos são contemporâneos.
  • B aceitar como legítimos os juízos de valor já consolidados na alta tradição dos historiadores mais experientes.
  • C definir com bastante precisão qual o juízo de valor a ser adotado como critério para a compreensão de um fato.
  • D preceder o juízo de valor do exame das condições históricas que determinam a atribuição de sentido ao objeto de julgamento.
  • E pressupor que a compreensão de um fato histórico depende da emissão de juízos de valor já legitimados socialmente.

Considerando-se o contexto, traduz-se adequadamente o sentido de um segmento do texto em:

  • A emitir diversos juízos de valor (1° parágrafo) = incitar julgamentos diversificados.
  • B naturalidade da controvérsia (1° parágrafo) = espontaneidade da insubmissão.
  • C juízos de valor digladiam-se (2° parágrafo) = aferições vão ao encontro.
  • D Sendo imperativa (2° parágrafo) = Uma vez autoritária.
  • E deseja dar consistência (3° parágrafo) = volta-se para o que consiste.

As formas verbais atendem às normas de concordância e à adequada articulação entre tempos e modos na frase:

  • A Não deveriam caber àqueles que julgam caprichosamente tomar decisões que se baseavam em juízos de valor viciosos e precipitados.
  • B Acatassem os ensinamentos de Hobsbawm toda gente que se ocupa de julgar, menos hostilidades haverá nas redes sociais.
  • C A obsessão pelos juízos de valor, tão disseminados nas redes sociais, fazem com que viéssemos a difundir mais e mais preconceitos.
  • D Uma vez que se pretendam que as meras opiniões sejam tão consistentes quanto os argumentos, toda discussão terá sido inócua.
  • E Caberá aos historiadores verdadeiramente sérios todo o empenho na compreensão de um fenômeno, antes que venham a julgá-lo.

Está clara, coesa e correta a redação deste livre comentário sobre o texto:

  • A Quanto maior o índice de preconceito, revelado numa opinião, o julgamento se torna manifestação de um valor que não cabe sustentar-se.
  • B Embora nem sempre se leve isso em conta, é enorme a distância entre argumentos que se discutam e juízos de valor que se emitam com paixão.
  • C A precedência de uma análise histórica, diante da qual um fato sucedido se subordina, é indiscutível para se avaliá-lo de modo sério e consequente.
  • D As pessoas mais autoritárias tendem a radicalizar suas opiniões, conquanto obtenham logo o aval dos contendores, quando então afetam alguma condenscendência.
  • E Eles não gostam muito de polêmica, acham mais preferível impor seus pontos de vista, em cujos costumam haver traços de um partidarismo fútil.