Questões da Prova da Secretaria de Estado da Segurança Pública e Administração Penitenciária de Goiás (SEAP-GO) - Agente de Segurança Penitenciária (FUNIVERSA - 2015)

Limpar Busca

Considerando como referência a norma-padrão e as questões gramaticais relativas ao texto, assinale a alternativa correta.
  • A A substituição do título pela redação Como é mudado pela prisão a personalidade de detentos está correta, pois foi preservada a conformidade com as regras de concordância.
  • B A redação o problema são essas mudanças de personalidade, os quais, embora ajudem o indivíduo a sobreviver à prisão, são contraproducentes para sua vida após a soltura., por estar totalmente correta do ponto de vista da concordância, poderia substituir o trecho “o problema é que essas mudanças de personalidade, embora ajudem o indivíduo a sobreviver à prisão, são contraproducentes para sua vida após a soltura.” (linhas de 5 a 7).
  • C No lugar do verbo “há” (linha 8), o autor poderia empregar a forma verbal existe.
  • D A redação que submeteram-se em média a 19 anos na prisão está correta do ponto de vista da colocação do pronome se, por isso poderia substituir a oração “que passaram em média 19 anos na prisão” (linha 11).
  • E Caso o autor resolvesse empregar a construção de entrevistados, logo após o termo sublinhado no trecho “descobriram que o grupo desenvolveu” (linhas 13 e 14), a forma verbal “desenvolveu” deveria obrigatoriamente permanecer na terceira pessoa do singular.

No que se refere à tipologia textual, o texto acima classifica-se como

  • A descritivo, pois nele se apresentam a Escola Positiva e o labbeling approach.
  • B narrativo, sendo o criminoso seu personagem principal.
  • C dissertativo, uma vez que expõe teorias a respeito do criminoso e da criminalidade.
  • D argumentativo, pois defende a ideia apresentada pelo labbeling approach.
  • E instrucional, cuja finalidade é instruir o leitor.

A respeito das estruturas do texto e das regras para o uso do sinal indicativo de crase, assinale a alternativa correta.

  • A O trecho “sobreviver à prisão” (linha 6) evidencia um caso de uso opcional do sinal indicativo de crase.
  • B O autor poderia optar por substituir a construção “a sobreviver” (linha 6) pela redação à sobreviver.
  • C Caso o autor resolvesse substituir o vocábulo sublinhado no trecho “após a soltura” (linha 7) pela construção posterior, a redação correta deveria ser posterior à soltura.
  • D A correção seria preservada caso o trecho “incluindo duas mulheres” (linha 10) fosse substituído pela redação acrescentando à essa lista duas mulheres.
  • E Logo após o trecho “Ao analisar as suas narrativas” (linha 12), o autor poderia empregar a construção à princípio, que exemplifica o correto uso do sinal indicativo de crase.

A respeito do emprego da partícula “se" no texto, assinale a alternativa correta.

  • A Em “Considerando-se" (linha 1), a partícula “se" classifica-se como índice de indeterminação do sujeito.
  • B Em “personifica-se" (linha 2), a partícula “se" classifica-se como pronome apassivador.
  • C Em “Buscava-se" (linha 18), a partícula “se" classifica-se como pronome apassivador.
  • D Em “Estabeleceu-se" (linha 22), a partícula “se" classifica-se como pronome reflexivo.
  • E Em “observa-se" (linha 28), a partícula “se" classifica-se como pronome reflexivo.

Considerando a hipotética necessidade de se registrar, no livro de ocorrências de uma penitenciária, o trecho “disse: ‘Eu ainda meio que ajo como se estivesse na prisão. E, assim, você não é como um interruptor ou uma torneira. Não dá para simplesmente se desligar.” (linhas de 17 a 20), assinale a alternativa que apresenta a redação mais compatível com o conteúdo original e com o nível de formalidade adequado à suposta situação comunicativa.

  • A Relatou que ainda agia como se estivesse na prisão e ressaltou que o ser humano, diferentemente de um interruptor ou de uma torneira, não pode ser simplesmente desligado.
  • B Falou que ainda se comportava como quando estava na prisão, onde as pessoas não são como um interruptor ou uma torneira, que não podem ser simplesmente apagados.
  • C Comentou que vivia ainda como se fosse um preso e que você não é como um interruptor ou uma torneira pra ser desligado simplesmente.
  • D Contou que agia meio como se ainda residisse na prisão e destacou que a gente é diferente de um interruptor ou de uma torneira, que podem ser simplesmente desligados.
  • E Veio a contar para mim que ainda se sentia como se estivesse na prisão e relatou-me que, ao contrário do que se imagina, não era um interruptor ou uma torneira pra estar desligado.