Questões da Prova da Polícia Militar do Estado de São Paulo (PM-SP) - Aspirante da Polícia Militar (2012)

Limpar Busca

Observe o seguinte trecho do Tratado de Methuen.


Artigo 1º. – Sua Sagrada Majestade El-Rei de Portugal promete admitir para sempre de aqui em diante, no Reino de Portugal, os panos de lã e mais fábricas de lanifício da Inglaterra.


Artigo 2.º – É estipulado que Sua sagrada e Real Majestade Britânica será obrigada para sempre, de aqui em diante, de admitir na Grã-Bretanha os vinhos de Portugal, de sorte que em tempo algum não se poderá exigir direitos de Alfândega nestes vinhos.

(Tratado de Methuen – 1703. In: Nelson Werneck Sodré, As Razões da Independência. Adaptado)


Entre outros fatores, foi devido ao Tratado de Methuen que

  • A as manufaturas têxteis se desenvolveram muito no Brasil.
  • B Inglaterra e Portugal foram os primeiros países a se industrializarem.
  • C a burguesia portuguesa enriqueceu e lutou contra a monarquia.
  • D o ouro explorado no Brasil foi transferido para a Inglaterra.
  • E Portugal diminuiu o seu interesse pela exploração da colônia.

No século II a.C., os irmãos Tibério e Caio Graco defenderam a reforma agrária em Roma. Tal proposta era consequência de um processo histórico anterior de concentração de terras na sociedade romana, pois

  • A os camponeses, empobrecidos e sem condições de produzir, vinham perdendo suas terras para os patrícios e migrando para as cidades.
  • B os patrícios eram os únicos que poderiam ser proprietários de terra em Roma, já que havia uma clara limitação social relacionada ao direito de propriedade.
  • C a escravidão vinha diminuindo, o que fazia com que os ricos proprietários ampliassem as suas propriedades na tentativa de aumentar a produção em mais terras cultiváveis.
  • D as guerras de expansão tiveram como resultado a ampliação do número de pequenos proprietários, porque formavam-se pequenas propriedades nos novos territórios conquistados.
  • E apenas os grandes proprietários participavam do exército, o que tornava necessário aumentar o número de latifundiários para ampliar e reforçar o poder militar de Roma.

Durante boa parte do período medieval, a marcação do tempo era controlada pela Igreja Católica, preocupada com o tempo religioso e com os ofícios religiosos a ele relacionados. Nos séculos XIV e XV, no entanto, os relógios mecânicos começaram a espalhar-se pela Europa e popularizou-se a divisão do dia em 24 horas. A afirmação desse tempo leigo perante o tempo religioso representou

  • A o fim do poder da Igreja Católica, muito abalada pelo surgimento do protestantismo.
  • B uma vitória dos servos sobre os seus senhores, pois eles vinham lutando para controlar o próprio tempo.
  • C uma mudança no ritmo de vida, associada ao ressurgimento das cidades e às trocas comerciais.
  • D o domínio do tempo pelos senhores feudais, que passaram a definir comportamentos com base no relógio.
  • E uma mudança cultural pouco significativa, pois as relações de trabalho continuaram a existir da mesma forma.

A exaltação dos bandeirantes, em São Paulo, está presente na nomenclatura de estradas, avenidas e monumentos. Monumentos que vão desde a bela obra do escultor Brecheret junto ao Parque Ibirapuera até o assustador Borba Gato, gigante de botas plantado no bairro de Santo Amaro. A estátua, aliás, é muito pouco realista, pois existem boas indicações de que muitos bandeirantes marchavam descalços.


(Bóris Fausto, História do Brasil)


A exaltação dos bandeirantes descrita costuma omitir, mascarar e esconder algumas das suas atividades. Trata-se de uma tentativa de esquecer e apagar da História algumas ações não tão nobres dos bandeirantes, tais como

  • A a descoberta de metais preciosos nas Minas Gerais.
  • B a contribuição para a extensão territorial do Brasil.
  • C o trabalho relacionado à produção de açúcar.
  • D a contribuição com os jesuítas na catequização de indígenas.
  • E o combate e a repressão aos quilombos.

O dia 21 de abril, data do enforcamento de Tiradentes, tornou-se feriado logo após a proclamação da República. Durante o Império, no entanto, a lembrança do episódio da Conjuração Mineira era incômoda, pois

  • A os inconfidentes tinham demonstrado clara oposição à forma monárquica de governo.
  • B a revolta nas Minas Gerais se declarou muitas vezes contrária à independência.
  • C a escravidão, mantida no Império, foi questionada pelos inconfidentes, que defendiam a abolição.
  • D a elite imperial se identificava com o Iluminismo, negado pelos revoltosos de 1789.
  • E os dois imperadores do Brasil eram contrários aos impostos defendidos pelos inconfidentes.