Questões da Prova do Liquigás Distribuidora S.A (LIQUIGAS) - Assistente Administrativo (2010)

Limpar Busca

Na primeira frase do texto, a autora fala do(a)

  • A paciente trabalho dos escribas da antiguidade.
  • B bloqueio mental que costuma acometer escritores e jornalistas no momento de produzirem seus textos.
  • C urgência exigida dos profissionais de jornalismo.
  • D qualidade dos textos produzidos para jornais e revistas populares.
  • E inibição de escritores e jornalistas diante de uma simples folha de papel em branco.

Os elementos que estão em oposição no texto são

  • A escritores / jornalistas.
  • B romance / conto.
  • C resultado pífio / melhor matéria do mês.
  • D papel em branco na máquina / branco na cabeça.
  • E escriba na Mesopotâmia / emissário real no Egito.

“Quando esse branco se dá na produção de livro, não tem importância. O romance espera, o conto espera.” (L. 20-22)
Os dois períodos acima podem ser reunidos em um só. Para que o seu sentido não seja alterado, deve-se usar como elemento de ligação entre os dois, a palavra


  • A porque
  • B porém
  • C portanto
  • D todavia
  • E embora
“Nessa trêmula serventia vivemos todos os que dependemos da fera,” (L. 37-38)
Sobre a passagem acima, considere as afirmações.
I – A fera de que todos dependem é o jornal.
II – A cronista se inclui entre os que dependem da fera.
III – A fera, verdadeiramente, é o leitor, crítico severo – diz a autora, retificando sua opinião inicial.
De acordo com o texto, é(são) verdadeira(s) APENAS a(s) afirmação(ões)
  • A I.
  • B II.
  • C III.
  • D I e III.
  • E II e III.
A cronista compara o jornal ao alto-forno de uma siderúrgica: “...não pode se apagar nunca e exige, dia e noite, combustível, minério, e a atenção infatigável dos seus alimentadores...” (L. 27-30)
O combustível – o alimento do jornal – NÃO é constituído de
  • A cotidiano.
  • B fatos atuais.
  • C comentários sobre fatos atuais.
  • D matérias enfadonhas.
  • E projeções sobre o futuro.