Questões da Prova do AL-SP - Agente Técnico Legislativo Especializado - Segurança de Redes (FCC - 2010) Página 1

Pareceu necessário, ao autor, empregar o adjetivo ética, no título do texto, porque o conceito de representatividade costuma ser

  • A utilizado como um valor, em princípio, absoluto, não se prestando a justificar interesses escusos.
  • B lembrado em seu valor relativo, pois a tarefa legislativa é mais alta do que a de representar os anseios públicos.
  • C maliciosamente utilizado por quem dele se vale como abono social para a prática de atos inescrupulosos.
  • D referido como um desses valores que, historicamente, vão mudando de sentido de acordo com a época.
  • E ingenuamente tomado como consensual, já que há muitas dúvidas quanto às tarefas que cabem ao legislador.

Atente paras as seguintes afirmações:

I. No 1º parágrafo, a pergunta dos cínicos e a frase do Barão de Itararé consideram a possibilidade da universalização de vantagens inescrupulosamente obtidas.

II. No 2º parágrafo, o autor expressa sua convicção de que é fatal, na esfera do poder legislativo, a disseminação das mesmas mazelas que afetam o conjunto da sociedade.

III. No 3º parágrafo, o combate aos lugares-comuns e às frases feitas é considerado um recurso válido para quem considera banal a disseminação dos vícios sociais.

Em relação ao texto, está correto APENAS o que se afirma em

  • A I.
  • B II.
  • C III.
  • D I e II.
  • E II e III.

O velho e divertido Barão de Itararé já reivindicava (...): "Restaure-se a moralidade, ou então nos locupletemos todos!".

Transpondo-se adequadamente o trecho acima para o discurso indireto, ele ficará: O velho e divertido Barão de Itararé já reivindicava que

  • A ou bem se restaurasse a moralidade, senão nos locupletaríamos todos.
  • B fosse restaurada a moralidade, ou então que nos locupletássemos todos.
  • C seja restaurada a moralidade, ou todos nos locupletávamos.
  • D seria restaurada a moralidade, caso contrário nos locupletássemos.
  • E a moralidade seja restaurada, quando não venhamos a nos locupletar.

Uma nova e correta redação da frase do Barão de Itararé, citada no texto, que preserva o sentido original é:

  • A Nos locupletemos todos, quando se restaurar a moralidade.
  • B Locupletemo-nos todos, a menos que se restaure a moralidade.
  • C Venhamos a nos locupletar, conquanto se restaura a moralidade.
  • D Que todos locupletemo-nos, ou então restaure-se a moralidade.
  • E Quando todos nos locupletamos, escusado é restaurar a moralidade.

A chancela da representatividade, que legitima os legisladores, não os autoriza em hipótese alguma a duplicar os vícios sociais (...).

Nessa frase, são exemplos de uma mesma função sintática os termos

  • A os legisladores e os vícios sociais.
  • B A chancela e os legisladores.
  • C da representatividade e autoriza.
  • D em hipótese alguma e da representatividade.
  • E A chancela e os vícios sociais.